Skip to content
29/07/2011 / Roberto Gimenez

Empresas e governos fazem investimentos bilionários em ciberdefesa

Antes, os militares planejavam combates em terra, na água e no ar. Agora, o ciberespaço surgiu como quarto campo de batalha. Nova dimensão de conflitos bélicos está ocupando os juristas.

O campus da National Defense University – centro norte-americano de formação militar – fica em Washington, à beira dos rios Potomac e Anacostia. A universidade foi escolhida pelo vice-secretário de Defesa dos Estados Unidos, William Lynn, para apresentar, no último dia 14 de julho, uma nova estratégia militar para o ciberespaço, declarado oficialmente como domínio operacional das forças armadas do país.

 Lynn destacou que outros Estados provavelmente já atuem no ciberespaço há muito tempo. O vice-secretário lembrou que 24 mil documentos secretos dos Estados Unidos foram roubados em março, em um ataque de hackers ao Pentágono.

 O Departamento de Defesa dos Estados Unidos acredita que um governo estrangeiro esteja por trás desta invasão. “A tecnologia ultrapassou o alcance de nossa estrutura jurídica e política e estamos tentando recuperar isso”, afirmou Lynn.

 Negócios milionários para empresas de armamentos

 A corrida para recuperar terreno começou há alguns anos. No início de 2009, o então secretário de Defesa norte-americano, Robert Gates, anunciou em uma entrevista à emissora CBS que tinha a intenção de quadruplicar o número de especialistas em Tecnologia da Informação (TI) e investir uma grande quantia em ciberdefesa.

 Em 2014, os militares norte-americanos pretendem desembolsar mais de 12 bilhões de dólares com segurança em TI, o que representa um aumento de 50% em relação a 2009. Algo parecido acontece em outros lugares. No fim de maio, o ministro da Defesa do Reino Unido, Nick Harvey, disse que o desenvolvimento de armas cibernéticas é parte integrante do armamento das Forças Armadas britânicas.

 Empresas de armamentos estão aproveitando essa onda. A norte-americana Lockheed Martin, líder no mercado, já abriu seu segundo centro de cibertecnologia, onde simula ataques cibernéticos. A Boeing adquiriu várias firmas especializadas no setor.

 E também o maior grupo aeroespacial e de armamentos da Europa, o EADS, quer lucrar com o negócio das armas digitais, planejando construir a própria empresa de segurança em TI, sob a égide de sua empresa de segurança, a Cassidian.

 Tecnologia em perigo

 Em 2010, o worm Stuxnet demonstrou como as armas cibernéticas podem ser utilizadas de maneira eficaz e precisa. O programa autorreplicante, semelhante a um vírus de computador, obteve sucesso ao sabotar uma usina de enriquecimento de urânio em Natanz, no Irã. Entretanto, os mesmos dispositivos de controle que foram manipulados pelo worm ainda são encontrados em diversas indústrias. #b#

 “Se o Stuxnet é capaz de causar um estrago tão grande, isso significa uma revolução em termos dos riscos com os quais precisamos nos preocupar. Tudo o que nos rodeia é controlado por sistemas desse tipo”, adverte o finlandês Mikko Hypponen, especialista em segurança em TI. “Temos uma infraestrutura vulnerável. Basta ir a qualquer fábrica, usina, indústria química ou de alimentos e olhar ao redor: tudo é controlado por computadores.”

 Também os sistemas de armas militares convencionais são controlados por computadores. A aceleração no campo de batalha, segundo a lógica militar, exige maior automação porque as pessoas são lentas demais para essas situações.

 Mas, em outubro de 2007, ficou claro o quão perigoso pode ser uma pane na tecnologia. Na África do Sul, um canhão de defesa aérea do fabricante Oerlikon, pertencente ao grupo alemão Rheinmetall, ficou fora de controle e disparou sem parar ao seu redor. Nove soldados morreram e 14 ficaram gravemente feridos. Uma falha de software – e não uma manipulação – é apontada como a causa do problema.

 Base jurídica da guerra cibernética

 O surgimento de uma nova dimensão de conflitos bélicos está ocupando os juristas. Um grupo de 15 especialistas de 12 países está trabalhando em um Manual de Direito Internacional para Aplicação na Guerra Cibernética.

 Entre os autores, está Thomas Wingfield, do Centro Marshall, na Alemanha. O advogado defende a tese de que se pode responder a ataques cibernéticos com meios militares convencionais.

 “Sempre que se chegar ao nível de um ataque armado, ou seja, o equivalente a uma invasão com tanques, a um bloqueio naval, a um ataque a cidadãos ou a soldados de um país, o Direito Internacional permite que o país responda militarmente e de forma unilateral para acabar com a ameaça”, considera Wingfield.

 Entretanto, continua existindo um problema: no ciberespaço, pistas podem ser perfeitamente apagadas. E outras, falsas, podem ser lançadas. É praticamente impossível identificar a origem exata dos ataques. Mas Wingfield não considera necessária uma segurança 100% eficaz.

 Ele e sua equipe acreditam que, para entrar na guerra cibernética, basta estar 75% seguro ao lançar mão de todos os recursos possíveis – sejam técnicos, informativos, de domínio público ou diplomáticos. O termo jurídico seria “provas claras e convincentes”. Porém, em tribunal, isso não basta – é necessário apresentar provas que eliminem todas as dúvidas.

 Autor: Matthias von Hein (lf)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,15273943,00.html

*********************

Vírus, spam, trojans e conteúdos indesejados? Adquira hoje mesmo o SpamTitan, solução completa contra e-mail indesejados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: