Os 10 principais benefícios da Microsoft Office Enterprise Project Management Solution

A Microsoft Office Enterprise Project Management (EPM) Solution é um ambiente colaborativo completo de gerenciamento de portfólios e projetos. A Office EPM Solution ajuda as organizações a obter visibilidade, percepção e controle de todo o trabalho, o que permite aperfeiçoar o processo de tomada de decisões, melhorar o alinhamento com a estratégia de negócios, maximizar a utilização de recursos, bem como avaliar e aumentar a eficiência operacional.

Motivo 1 Padronizar e automatizar os processos de governança.

Defina vários fluxos de trabalho a fim de submeter cada projeto aos controles de governança adequados durante o seu ciclo de vida — da proposta até a pós-implementação — de modo a obter custos mais baixos, ciclo mais rápidos e maior qualidade.

Motivo 2 Capturar todos os investimentos em um repositório central.

Consolide os investimentos de TI (tecnologia da informação) e de negócios em um repositório corporativo para aumentar a visibilidade, a percepção e o controle. Com a Office EPM Solution, você pode implementar processos repetitivos como modelos, a fim de padronizar e simplificar a coleta de dados em toda a organização. A centralização dos dados facilita a análise de finanças, recursos, agendas entre vários projetos, bem como de outras tendências de dados e do status para a geração de relatórios informativos.

Motivo 3 Priorizar de maneira objetiva a estratégia de negócios e os investimentos concorrentes.

Utilize técnicas comprovadas a fim de definir e priorizar a estratégia de negócios de sua organização para o próximo período de planejamento e gere automaticamente pontos de priorização objetivos para avaliar com eficiência os investimentos concorrentes a partir de várias dimensões.

Motivo 4 Alinhar os portfólios selecionados à estratégia de negócios.

Execute cenários hipotéticos de otimização para identificar vantagens e desvantagens e selecione o portfólio ideal, sob diversas restrições orçamentárias e comerciais, mais alinhado à estratégia de negócios de sua organização. Utilize técnicas avançadas de análise de portfólio para identificar e eliminar as restrições que impedem que o portfólio atinja a Fronteira Eficiente.

Motivo 5 Gerenciar recursos com eficiência.

Sem entender sobre capacitação e cargas de trabalho de longo prazo, as empresas podem experimentar ciclos ineficientes de contratação/demissão, resultando em altos custos, baixo nível de conhecimento e baixa auto-estima de funcionários. Dando visibilidade sobre compromissos gerais de trabalho, quadros de horários reais e capacitação de recursos, a EPM Solution o ajuda a criar planos de recursos para alinhar a terceirização e o recrutamento estratégicos aos seus objetivos comerciais de longo prazo.

Motivo 6 Colaborar e coordenar com facilidade.

Garantir que as equipes compartilhem objetivos comuns e trabalhem juntas com eficiência torna-se mais essencial à medida que as organizações ficam mais diversificadas em termos geográficos e culturais. O acesso baseado na Web a informações oportunas e críticas para os negócios armazenadas na Office EPM Solution permite que as equipes compartilhem conhecimentos, colaborem entre si com facilidade para concluir tarefas e gerar resultados finais, assim como ajustem rapidamente as atividades para acomodar as alterações e as atualizações do projeto.

Motivo 7 Avaliar e controlar o desempenho do portfólio.

Avalie e controle com eficiência projetos, programas e aplicativos durante todo o seu ciclo de vida, obtendo visibilidade para identificar de forma pró-ativa possíveis problemas, tomar decisões e ajudar a garantir que seus portfólios maximizem o retorno do investimento (ROI), bem como aumentem a eficiência operacional.

Motivo 8 Obter mais resultados de investimentos em tecnologia existente.

A Office EPM Solution baseia-se no Microsoft Windows Server, no Microsoft SQL Server e no Microsoft Windows SharePoint Services, de modo que você pode extrair o máximo de proveito da experiência de sua organização nessas tecnologias Microsoft. Como a Office EPM Solution também está integrada ao Microsoft Office system, a aplicativos ERP e à plataforma de colaboração da Microsoft, os usuários podem contribuir com dados para a Office EPM Solution e, ao mesmo tempo, trabalhar com aplicativos conhecidos, como o Outlook ou o SharePoint.

Motivo 9 Fornecer a máxima integração com aplicativos de linha de negócios.

A API Project Server Interface bem definida, o Modelo de Evento que oferece suporte ao Windows Workflow Foundation, o SDK com modelos de referência e outras ferramentas tornam a Office EPM Solution uma plataforma flexível e extensível para o gerenciamento de seu trabalho. Utilize a Project Server Interface, uma API baseada em serviços da Web, para integrar totalmente a Office EPM Solution a aplicativos de Contabilidade, RH, ERP e CRM, bem como a outros aplicativos de linha de negócios.

Motivo 10 Obter rapidamente o retorno do investimento.

A Office EPM Solution oferece às organizações uma solução completa de gerenciamento de portfólio de projetos. Proporcionando maior produtividade dos funcionários, ciclos mais rápidos, custos reduzidos e melhor gerenciamento de tempo, a Office EPM Solution possibilita um retorno positivo e sustentável de seu investimento. No gerenciamento de portfólios de TI, o software pode cortar de 2 a 5% dos custos, melhorar de 20 a 25% a produtividade e transferir de 10 a 15% dos orçamentos para projetos mais estratégicos. No desenvolvimento e no lançamento de novos produtos no mercado, as empresas com melhor desempenho — as que aplicaram rigorosos processos e tecnologias em pesquisa e desenvolvimento e em atividades de lançamento — podem reduzir em mais de 30% o tempo de entrada no mercado.

Fonte:  office.microsoft.com

Anúncios

Quatro pegadinhas das métricas em TI

Medir os resultados de maneira correta depende do entendimento claro do que a companhia quer realizar.

Por Bob Lewis, Infoworld (EUA)

Era um help desk excelente. Então, seu CIO, querendo resultados mensuráveis, estabeleceu que a métrica de incidentes resolvidos por semana era adequada para a avaliação de desempenho. A empresa em questão tinha três unidades de help desk: uma para cada local importante. O resultado de uma delas foi muito pior que a das outras duas, e foi castigada por isso.

O que ele estava fazendo de errado? Ser eficiente demais. Seus gestores tinham estabelecido um programa de autosuficiência dos usuários que reduziu muito o número de chamados. Os analistas consumiram bastante tempo educando os funcionários a serem mais independentes e sofisticados no uso da tecnologia. O resultado foi menos incidentes para resolver, juntamente com níveis mais elevados de eficácia dos funcionários.

Moral da história: seu resultado nitidamente superior, resultou em métricas de desempenho pobres.

“Você não pode gerenciar o que não pode medir”, afirma o lendário guru da administração Peter Drucker. Ele está certo, mas não o suficiente. O fato é que é muito mais fácil obter métricas erradas do que certas, e o dano causado a partir das métricas erradas geralmente excede o benefício potencial das métricas certas.

A métrica certa depende do entendimento claro do que a companhia quer realizar. Imagine que em vez de trabalhar em TI você seja um policial rodoviário. Se seu objetivo é pegar quem anda acima da velocidade máxima permitida, sua métrica será o maior número de multas emitidas por agente por hora. Se, por outro lado, seu objetivo for minimizar a quantidade de excesso de velocidade nas estradas, você vai garantir que cada carro da polícia esteja altamente visível, e a métrica passará a ser o menor quantidade de multas emitidas.

Uma razão aparentemente inteligente nem sempre é realmente inteligente

Qualquer objetivo que não possa ser transformado claramente em um número permite a manipulação para que os interessados o considerem atingido ou não. Talvez sua organização não tenha definido as métricas necessárias para avaliar um objetivo. Muitas vezes, elas e os instrumentos para chegar a elas, são especificados antes da definição do objetivo. E talez aí esteja o “x” da questão.

A SMART é uma técnica de definição de metas muito popular. Ela representa (com algumas variações) os objetivos específicos, mensuráveis, atingíveis, realistas e e em tempo (ou com prazo).

Quem poderia argumentar contra uma técnica de formulação de objetivos como essa? A resposta: quem prefere a prevenção para a solução de problemas, ainda que, com poucas exceções, as ações preventivas sejam mais difíceis de medir.

A prevenção bem-sucedida é indistinguível na ausência de risco. Qualquer um que tenha trabalhado em projetos Y2K, sabe bem. Muitos foram acusados de desperdiçar dinheiro da empresa em um falso problema diante da não ocorrência do caos anunciado para o dia 1º de janeiro de 2000.

Será que eles definiram claramente o método ou sistema de medição que seria usado para monitorar o seu objetivo: evitar a parada dos sistemas com a troca da data?

Há, ao que parece, quatro maneiras diferentes de realizar métricas erradas. Você pode:

– Medir as coisas certas de forma ruim.

– Medir as coisas erradas, bem ou mal.

– Negligência a medição de algo importante.

– Estender as métricas a funcionários individuais.

O primeiro problema é o mais fácil de evitar. Depois de saber o que você precisa medir – quais são seus objetivos – as falhas mais comuns são fáceis de detectar e corrigir. Um exemplo comum é não dar pesos diferentes para atividades diferentes. Nosso exemplo de help desk teria falhado este teste, mesmo que a taxa de resolução fosse a medida certa: todas as chamadas para o help desk foram contadas de forma igual, mesmo que resultassem em quantidades dramaticamente diferentes de tempo para resolução dos problemas.

O segundo problema é mais difícil de detectar. Foi o pecado cometido no caso do help desk. A taxa de resolução não era o elemento mais importante para medir. O tempo de trabalho do usuário gasto para resolver dificuldades técnicas é o que importa.

As empresas devem querer também que seus funcionários aproveitem ao máximo as ferramentas disponíveis para eles. É um outro objetivo muito importante e de difícil mensuração. O gerente de help desk reconhecia essa importância e instituiu programas nessa direção.

E aí chegamos na quarta e mais polêmica falácia métricas – ampliar as métricas para funcionários individuais. Por mais tentadora que seja, é quase sempre uma proposta perdedora, porque os empregados quase sempre descobrirão as formas como as métricas são aplicadas.

Métricas não importam se não forem associadas a maneiras de saber se a organização está ou não alcançando os objetivos mais importantes. Caso contrário, seus administradores estarão voando sem instrumentos. O desafio é medir direito, porque há coisas piores do que voar sem instrumentos. Entre elas, voar com base em instrumentos que permitem leituras falsas.

 fonte: http://computerworld.uol.com.br/gestao/2011/12/14/quatro-pegadinhas-das-metricas-em-ti/

 

Fábrica de Software: Rentabilidade Garantida

Fonte: http://www.ogerente.com.br/novo/colunas_ler.php?canal=20&canallocal=61&canalsub2=207&id=2474

Caro leitor, imagine que você é o responsável por um projeto dentro de sua corporação, você é cobrado por rentabilidade e depende de qualidade e redução de custos, pois seu planejamento não prevê um “escorregão” no projeto e você está vendo que poderá ter uma mudança de escopo considerável em uma das frentes do mesmo, mas o valor orçado não pode ser modificado e você terá que fazer mágica para que esse projeto entre no ar.

Que tal procurar uma forma remota de trabalho? Que tal trazer para si uma equipe de profissionais atuando na sua demanda com metodologia de atuação, com custo reduzido e qualidade.

Mas temos que tomar certo cuidado na atuação em fábrica de software, temos que imaginar que não temos o recurso ao nosso lado para desenvolver a aplicação sobre demanda, então não existe metodologia que se adéqüe a uma indefinição.

Uma atuação em modelo de fábrica de software depende exclusivamente de uma definição do que se quer e uma especificação bem detalhada, pois os recursos que atuarão no desenvolvimento serão executores da demanda, não tem uma criticidade de conhecimento funcional e nem a proximidade do Key-user (Usuário responsável pela aplicação) para trocas de informações e alterações durante o desenvolvimento do software.

Hoje existe a possibilidade de desenvolver projetos inteiros remoto, com qualidade e custo menor, mas a dependência do cliente final e o comprometimento do mesmo para a finalização do projeto é de suma importância, ou seja, o cliente é o responsável pela execução, pensando friamente em fábrica, indústria, a fábrica de software é somente a máquina que irá executar tal tarefa, caso ela esteja mal configurada, esta não executará um trabalho ideal.

As metodologias usadas em desenvolvimentos de sistemas devem ser estruturadas com melhores práticas de mercado para desenvolvimento e documentação criando KPI para indicações de retrabalhos, qualidade, entendimento durante todas as fases de desenvolvimento.

Existem diversos benefícios para o cliente quando este usa desenvolvimento em ambiente remoto, dentre eles, o prazo e custo já são definidos, o que garante um planejamento eficaz, outro beneficio é que contratando uma fábrica de software você garante o trabalho continuo não dependendo de um recurso único de trabalho.

Como estamos falando de fabrica de software, dependemos de uma estrutura organizacional firme e funcional mínima conforme descrevo abaixo.

Gerente de Fábrica de Software: Profissional responsável por gerenciar os recursos, definir os pontos focais de demandas ou clientes, controlar, planejar e administrar os projetos executados com a fábrica de software e efetuar um relacionamento direto com o cliente.

Analistas desenvolvedores: Esses profissionais fazem parte do pool de desenvolvimento e são responsáveis pelo desenvolvimento da demanda apresentada, bem como a elaboração de uma documentação mais técnica da mesma que será enviada para os desenvolvedores finais.

Desenvolvedores: Profissional responsável pelo desenvolvimento da demanda.

Célula de QA: Equipe mais sênior responsável pelo Quality Assurance da demanda, onde é realizado testes e ajustes de performance ou rejeição do desenvolvimento.

Dentre os benefícios de se utilizar uma fábrica de software estão a garantia de entrega, processos automatizados, gestão da demanda por um SGD, instalações fora da estrutura da sua corporação, o que reduz o custo, profissionais qualificados e experientes em uma estrutura barata por otimização de recursos, garantia de documentação, entre outros.

O funcionamento padrão de uma fábrica de software é baseado nos passos a seguir:

1) Especificação:

A Especificação é realizada por um analista funcional que demonstrará o que deverá ser desenvolvido, nesta fase é realizado o levantamento da necessidade, e documentado o requisito do software.

2) Metricas:

Nesta fase, baseado na especificação o Analista desenvolvedor analisa a documentação de requisitos, aplica métricas e define o prazo para o desenvolvimento/documentação e QA.

Esse prazo é passado para o cliente aprovar o início da execução e após aprovado será passado para a fase de desenvolvimento.

3) Desenvolvimento:

Esta fase é a execução do requisito, passa pelo pool de desenvolvimento, onde é desenvolvido, documentado e testado.

4) Qualidade:

Após o desenvolvimento, o produto é passado por um período de stress test com uma equipe que não participou do desenvolvimento, esta equipe está capacitada para efetuar ajustes ou recusar o desenvolvimento antes que este seja repassado para o cliente final.

5) Acompanhamento:

O software desenvolvido é acompanhado pela equipe de fábrica realizando ajustes durante o prazo de maturidade do mesmo.

A utilização de fábrica de softwares será cada vez mais utilizada por grandes empresas que necessitem de suporte em seus sistemas, desenvolvimento de novas aplicações, bem como uma equipe que entenda cada vez mais de seu ambiente, não dependendo somente de um ou outro recurso.

A DANRESA Consultoria de Informatica possui uma fábrica de software especializada em diversas tecnologias de mercado, oferecendo a seus clientes serviços como Desenvolvimento de Sistemas Sob Medida onde os clientes que desejam terceirizar todo ou parte dos processos de desenvolvimento de sua empresa seja sob a forma de contratos por períodos determinados e/ou renováveis ou por meio de projetos específicos, a DANRESA oferece sua fábrica de software e suas equipes especializadas como força produtiva em desenvolvimento de sistemas e soluções completas de negócios.

A DANRESA Consultoria de Informatica desenvolve sistemas inteligentes, que agregam valores ao negócio de cada cliente, integrando, agilizando e customizando processos que se tornam automáticos e muito mais rentáveis.

Todo o ciclo de desenvolvimento é auditado através de processos e metodologias de Quality Assurance e Software Assurance existentes no mercado que permitem a geração de um produto final de qualidade e que atende às expectativas e necessidades de cada empresa.

A DANRESA atua desde a idéia de uma nova solução de informática, percorrendo os caminhos da viabilidade, validando as tecnologias disponíveis no mercado com os custos, prazos e benefícios pretendidos. Analisa os processos e desenvolve toda a solução por meio de equipes de desenvolvimento especializadas e certificadas no mercado de trabalho.

Todos os processos da solução são testados e homologados durante e após o desenvolvimento, garantindo assim a qualidade do produto final, que é validado com os usuários e alinhado as expectativas.

A DANRESA implanta, documenta, efetua treinamentos e assistência pós implantação, garantindo a satisfação de seus clientes, cumprindo com seu compromisso de Consultoria de Informática.

Para saber mais sobre como a DANRESA Consultoria de Informatica pode ajudar a sua empresa como Fábrica de Software ligue para um Consultor DANRESA através do telefone 55 11 4452-6450 ou envie um e-mail para comercial@danresa.com.br

Para empresas que desejam executar projetos de sistemas a DANRESA oferece os serviços de Gerenciamento e execução de projetos de TI utilizando metodologias de Projetos e             Sistemas conceitudas como PMI, RUP, MSF, MSF for Agile, MSF for CMMI, de acordo com o perfil do projeto e necessidades do cliente.

A DANRESA participa ativamente no gerenciamento e execução de projetos de sistemas utilizando metodologias de projetos e de sistemas de acordo com as necessidades de cada projeto e de cada cliente, atendendo de forma consistente ao envio de RFIs e RFPs por meio de orçamentos detalhados e pilotos funcionais.

Segue abaixo alguns tipos de projetos que a DANRESA têm participado com excelência em seus clientes:

– Sistemas Sob Medida de Acordo com as Regras de Negócios, especificadas em RFIs e RFPs enviadas pelos Clientes

– Portais Corporativos

– Lojas Virtuais

– Web Sites Inteligentes

– Sites Vendedores

– Sistemas Desktop

– Sistemas Integrados

– Web Services

– Windows Services

– Information Worker Solutions

– Sistemas para Colaboração e Comunicações Unificadas

– Sistemas para Geração de Relatórios Estratégicos com DASH BOARDS, Grids e Gráficos Dinâmicos

Para saber mais sobre as metodologias de gerenciamentos de projetos utilizadas pela DANRESA Consultoria de Informática acesse http://www.danresa.com.br/Paginas/Servicos/Sistemas/Metodologias/MSFForCMMI/frmMSFforCMMI.aspx

Para saber sobre desenvolvimento de sistema sob medida acesse http://www.danresa.com.br/Paginas/Servicos/Sistemas/frmDesenvolvimentoSistemas.aspx

Para saber mais sobre a DANRESA Consultoria de Informatica acesse o site oficial em http://www.danresa.com.br

Ligue para 55 11 4452-6450 ou envie um e-mail para comercial@danresa.com.br e saiba como a DANRESA Consultoria de Informatica pode ajudar a sua empresa e evoluir com a tecnologia da informação ( TI ).