Criadores de conteúdo on-line precisam ser orientados, diz professor

JORDANA VIOTTO

O crescimento da internet no mundo tem levantado questões sobre privacidade, liberdade de expressão, segurança e confiança on-line, inclusive dentro das empresas.

Na tentativa de desvendar alguns desses pontos, o Fórum Econômico Mundial, a escola de negócios francesa Insead, a empresa de pesquisas comScore e o Oxford Internet Institute desenvolveram a pesquisa “O Novo Mundo da Internet”, divulgado em abril de 2011.

Soumitra Dutta, professor do Insead e um dos coordenadores do relatório, concedeu entrevista à Folha sobre aspectos das mudanças do ambiente on-line e hábitos dos profissionais diante dessas ferramentas dentro das empresas.

Muitas empresas utilizam conteúdo gerado por usuários como ferramenta de comunicação interna e de gestão do conhecimento. A pesquisa, no entanto, mostra que poucas pessoas, em geral, produzem conteúdo on-line. Podemos supor que muitas dessas iniciativas podem fracassar?

Isso é um fenômeno mundial. Poucas pessoas produzem conteúdo enquanto muitas consomem esse conteúdo. Isso vale para nações desenvolvidas, como os EUA, e para corporações também.

As políticas de gerenciamento de comunidades nas empresas precisam levar em consideração essa tendência e selecionar líderes para manter a comunidade viva.

É preciso trabalhar com os poucos criadores ativos de conteúdo, mas ele precisa ser relevante para os muitos que vão ler, para que se beneficiem ao consumi-lo.

Na pesquisa, muitas pessoas apoiam a regulamentação da internet pelo governo. Isso não seria arriscar a liberdade de expressão e também os negócios baseados na web?

Deve haver um equilíbrio exato de regulação e abertura on-line. Acredito que é importante preservar a liberdade de expressão. O que aconteceu no Egito [o governo desconectou os servidores em janeiro, durante as revoltas populares pela saída do então líder Hosni Mubarak] é um bom exemplo a ser citado.

Mas os governos perceberam o valor da internet. Tanto o novo governo no Egito como o da Tunísia [onde a população foi às ruas pela saída do general Ben Ali do poder] estão utilizando a rede para se comunicar com os cidadãos.

A respeito da segurança, muitas pessoas não tomam precauções em suas atividades on-line –inclusive nas empresas, onde “alguém deve estar tomando conta disso”. Você diria que as empresas precisam investir na conscientização dos empregados a respeito da necessidade das precauções on-line?

Educação é vital nesse ponto. Os colaboradores precisam ser educados sobre os riscos, inclusive de postar conteúdo on-line. Esse conteúdo pode ser inapropriado ou mal interpretado. Uma comparação que podemos fazer é com a tatuagem: o que colocamos na internet nunca sai.

fonte: Folha.com

*******************************

Leia: Avanço da tecnologia exige especialização

Anúncios

Como criar o blog de que a sua empresa precisa

Cada vez mais as empresas estão buscando maneiras de se comunicar através da internet. Uma das opções é a criação de um blog, com participação efetiva dos internautas com mensagens e comentários. Mas antes de criar um blog é preciso considerar alguns pontos.

O primeiro deles é que um blog deve ser tratado como um produto de comunicação, como se trata uma revista impressa ou um programa de televisão.

A forma como será feito o blog, ou os blogs, já que a sua estratégia pode incluir mais de um desses produtos, depende justamente das suas necessidades:

 

1. Notícias e releases

Muitos empresários ainda não descobriram, mas aquela área “notícias” no menu do site da sua empresa está cada vez mais perdendo a importância.

Mesmo assim, em alguns casos, ter um espaço para divulgar releases e publicar informações exclusivas ou relevantes pode ser necessário.

Um blog bem feito pode tornar esta área num atrativo.

 

2. Referência de conteúdo

Se você tem bons profissionais em sua empresa e quer torná-la uma referência em determinada área, um blog talvez seja uma boa solução para você. Muito mais barato e, a médio prazo, muito mais abrangente do que um artigo publicado numa revista semanal. Ter um blog para publicação de artigos, apresentações e reflexões produzidas por seus profissionais certamente trará bons resultados.

 

3. Atendimento e ouvidoria

Seu blog também pode ser uma boa extensão da sua central de atendimento ou da sua ouvidoria. Se você criar uma dinâmica de respostas coerentes, com qualidade e rapidez, além de ter disponível uma base de informações riquíssimas para seu negócio, ainda poderá reduzir os custos com telemarketing e com a grana que sobrar ainda caprichar na cesta de Natal para os funcionários.

 

4. Inovação e tendências

No dia em que a sua empresa estiver pronta para ditar tendências e implantar inovações no mercado, o seu blog corporativo pode ser uma boa plataforma de testes. A divulgação de etapas de um processo, o compartilhamento de uma determinada dificuldade num projeto pode gerar excelentes resultados se publicados num blog. Basta saber cultivar e gerenciar a comunidade em volta dele e de sua marca

 

5. Gestão de crise e transparência

Aquele escândalo estourou e você não sabe o que fazer? Os jornais publicam informações tendenciosas sobre seus negócios ou produtos? Um blog para ajudar a gerir a crise, ou para esclarecer questões pontuais sobre declarações e entrevistas é um bom caminho. Aproveite a internet para dar o famoso “outro lado” da história e ganhe a confiança do seu consumidor. No mínimo você estará participando do debate. Use este espaço também para abrir suas contas, apresentar suas metas para o trimestre, o que pode ser um grande diferencial competitivo.

Bem, mas isso é apenas o começo. Uma vez que você definiu a natureza do conteúdo do seu blog, está na hora de você entrar na rede. Procure todos os blogs que falam sobre sua empresa, sua marca ou sobre os assuntos relacionados aos que você pretende publicar. Deixe comentários, inclua tantos links quanto forem possíveis e faça referências aos conteúdos deles em seu blog. Responda aos comentários e faça referência a alguns comentários em seus posts. Agora só falta uma coisa: invista em boas práticas. Aqui, algumas dicas para você conferir:

1  Atualizar frequentemente o blog. Não precisa ser todo dia, mas, sempre que possível. Nenhum internauta gosta de acessar um endereço e encontrar sempre o mesmo conteúdo. Dá a impressão de descaso com quem visita o blog.

2  Tudo que for colocado no blog tem que ser escrito de maneira objetiva, direta, em português claro ou inglês, se seu público for globalizado. O tamanho do texto deve variar de acordo com seu público, mas o ideal é seja mais curto, chegando, no máximo, a 25 ou 30 linhas.

3  Promova o seu blog em outras redes, que são a porta de entrada para um mundo com milhões de consumidores. Basta pensar que um Facebook, por exemplo, tem em torno de 350 milhões de usuários no mundo inteiro. É a vitrine perfeita para o blog de sua empresa. Integre a publicação dos seus posts com o Twitter e seja ativo nas comuidades relevantes do Orkut.

4  Utilize um design simples, funcional e atrativo, visualmente agradável, que revele uma personalidade própria. Destaque a sua marca quando puder. O blog tem que atender e inspirar o visitante que vem em busca de uma determinada informação, para que ele retorne.

5  Entenda, invista e aplique técnicas de SEO. Seu blog precisa ser encontrado. Lembre-se que cada post publicado tem que ter o potencial de “primeira página”, já que muitas visitas ao blog têm origem nos buscadores. Títulos, palavras-chave e o corpo do texto devem ser escritos levando em consideração os critérios de encontrabilidade.

Fonte: imasters.uol.com.br